Quarta-feira, 27 de Outubro de 2010

Cuidados básicos a ter com o nosso gato

 Higiene oral:

Deve ter-se em conta que o hálito do gato é sempre intenso, nos animais alimentados à base de carne. No entanto, esse odor deve ser diferenciado de uma halitose (mau hálito), resultante quer da actividade das bactérias existentes na cavidade bucal quer da eliminação por via oral de resíduos, cuja eliminação se deveria processar através das vias excretoras naturais, em particular os rins.
A acumulação de tártaro e de resíduos alimentares em decomposição lenta pode originar afecções dentárias e gengivais. O tártaro - que pode atingir proporções impressionantes - consiste no depósito de sais minerais (cálcio) da saliva na placa dentária ou decorrentes dos resíduos de alimentos. Salienta-se que os dentes dos gatos alimentados com alimentos de textura mole (húmidos) são mais sensíveis à doença periodontal. A solução radical para prevenir a acumulação de tártaro consiste em escovar diariamente os dentes do gato, desde que o animal tenha sido habituado desde cedo. Caso contrário, pode utilizar-se apenas o dentífrico, específico para gatos - os produtos destinados aos seres humanos não são indicados. Por último, é indispensável uma remoção regular do tártaro (destartarização), executada pelo veterinário sob anestesia geral.

 

Nariz e orelhas:

Em geral, o nariz não requer cuidados especiais. Um gato saudável não apresenta secreções nasais e a trufa mantém-se sempre húmida: não só porque o animal a lambe com bastante frequência, como também, porque as lágrimas escorrem constantemente através dos canais lacrimais.
Caso o nariz esteje com secreções nasais é fácil retirar - algodão embebido numa loção anti-séptica adequada ou em água morna previamente fervida.

 

Quanto ás orelhas: o pavilhão auricular evidencia sempre alguma gordura na base: este depósito de cerúmen, perfeitamente normal, pode adquirir por vezes uma tonalidade acastanhada.

 

Este depósito não deve ser removido com frequência, para não aumentar a secreção de cerúmen. Caso o aspecto seja desagradável ou exista presença de corrimento abundante, é aconselho uma ida ao veterinário.

 

Unhas:

O gato utiliza diversas técnicas para marcar o seu território, entre as quais as arranhaduras. Para limitar as consequências negativas deste comportamento, é aconselhável cortar regularmente as unhas dos gatos de interior.

Independentemente da raça, é indispensável cortar as unhas aos gatos que participem em exposições. Alguns criadores preferem realizar o corte 4 a 5 dias antes do evento de forma a que estas se vão arredondando naturalmente e, como tal, sejam menos traumáticas. Devem ser cortadas não só as unhas dos membros anteriores como também as dos posteriores.

Para facilitar este procedimento (que não é doloroso para o gato) é conveniente habituar o animal desde muito jovem. Uma forma confortável de cortar as unhas é: sentarem-se com o gato de barriga para cima, prendendo o corpo do gato entre os joelhos.

 

As unhas do gato são indicadores de saúde: se estiverem demasiado duras ou moles, são sinais de eventuais carências ou de uma infecção bacteriana. Se habitualmente o animal roer as unhas, poderá encontrar-se numa fase de ansiedade, a qual pode desencadear um estado depressivo. Em ambos os casos aconselho uma ida ao veterinário.

publicado por Vida animal às 15:00
link do post | favorito
1 comentário:
De Patrícia Sofia Ferreira a 27 de Outubro de 2010 às 18:41
Desculpa a minha ausência...
Tudo bem?


Comentar post